(11) 99452-6862 Rua Gen. Jardim, 846, 4° andar - Higienopólis – São Paulo/SP

Tudo sobre Sintomas de Tumores Osseos, Neoplasia e Condrossarcoma

A forma como os tumores ósseos se apresentam variam muito, é muito frequente alguns pacientes se apresentarem assintomáticos e, por achado “incidental” descobrir uma lesão óssea. Nessa situação, o paciente busca o especialista com intenção de descobrir o nome do câncer nos ossos, porém na maioria das vezes se trata de uma lesão benigna. Ao falarmos do tumor ósseo sintomas, eles podem se apresentar por conta de uma fratura ou por um inchaço da perna ou pela presença de uma tumoração óssea que é perceptível na palpação. Tanto o câncer no osso (maligno) e o tumor no osso (benigno) podem se apresentar dessas maneiras, por isso é importante uma avaliação com o especialista em oncologia ortopédica para um diagnóstico preciso. Nessa situação, o médico irá se basear na história clínica, no exame físico e nos exames de imagem para fechar o diagnóstico, por exemplo no diagnóstico diferencial de um condrossarcoma e um encondroma.



Agende sua consulta



Tumor ósseo sintomas

Falando do tumor no osso benigno, podemos dizer que ele é responsável pela imensa maioria dos casos. Todos os ortopedistas generalistas irão se deparar com essas lesões quando estiverem atuando no pronto-socorro, encontrarão lesões como o encondroma, osteocondroma, cistos degenerativos, cisto ósseo simples, fibromas não-ossificantes e outros. Os casos que se apresentam com dor que melhora ao uso de analgésicos é um sinal que sugere lesão benigna, sendo geralmente associada a alguma atividade que o paciente executou ou, também podem relacionar a algum trauma. Existem alguns tumores que são bem característicos na imagem radiográfica, dispensando qualquer tipo de investigação adicional, por exemplo o fibroma não-ossificante, o osteoma osteóide e o cisto ósseo unicameral.
 

Estudo de imagem dos tumores ósseos

A avaliação radiológica do tumor nos ossos começa com a radiografia do osso inteiro que está envolvido com a lesão, normalmente o tumor no osso benigno possui margens bem definidas devido a bordas escleróticas, podendo apresentar afilamento do endósteo, porém raramente terá invasão da cortical. A tomografia é um estudo que auxilia na visão tridimensional do tumor e traz infomações importantes para sabermos do potencial biológico da lesão, essas informações dos tumores osseos são o presença de matrix formadora de osso, erosão endosteal, afilamento cortical ou violação, e a zona de transição. Já a ressonância tem papel fundamental no estudo dos tumores ósseos malignos, avaliamos com esse exame o padrão de realce da ressonância, presença de edema no osso e a própria característica da imagem. No caso da cintilografia, ela é utilizada para acessarmos a presença de múltiplos locais de envolvimento que podem ocorrer por exemplo no displasia fibrosa poliostótica, encondromatose múltipla ou na histiocitose. É importante saber que a positividade desse exame usado no estudo da neoplasia óssea não nos diz com acurácia se ela é um tumor ósseo (benigno) ou um câncer ósseo (maligno). Quando encontramos uma lesão fria (negativa), isso nos leva a pensar que é uma lesão latente ou quiescente. No estudo do tumor ósseo sintomas é de extrema importância uma história clínica detalhada, um exame físico bem apurado e radiografias não devem ser deixados de lado na avaliação do ortopedista especialista em tumores ósseos, pois paciente que tem dor, deformidade, edemas, tumoração óssea ou uma fratura patológica poder ter um diagnóstico de lesão benigna. Quando estudamos lesões que estão muito próximas a articulação devemos ter o cuidado para diferenciar se a causa é proveniente de alterações degenerativas articulares. Aquelas lesões que evidenciarem ruptura cortical, alterações permeativas, reação periosteal, necessitam de exames de imagem adicionais. Quando houver a duvida no diagnóstico dos tumores ósseos, uma biópsia poderá ser necessária. Ao se concluir que a lesão é benigna, devemos proceder a observação radiografia a cada 3 meses para garantir que há estabilidade, aumentando o tempo de retorno progressivamente. Por outro lado, aquele tumor no osso poderá submeter-se a procedimento cirúrgico se houver risco de fratura, correção de deformidade etc.

Câncer ósseo – Lesões malignas

Diferentemente dos tumores ósseos benignos, as lesões malignas raramente serão assintomáticas. Seu quadro clínico é caracterizado por dor que varia em intensidade, duração e característica e, nesses casos ela não melhora com o uso de analgésicos. No caso das lesões que ocorrem nas extremidades, por exemplo câncer no osso da perna, é comum notarmos a presença de uma tumoração e ou o edema. No caso da neoplasia óssea maligna existe alterações laboratoriais como a hipercalcemia, aumento da fosfatase alcalina ou anemia. É importante também estudarmos se há a presença de história familiar de câncer, pois algumas síndromes predispõem o paciente a ter osteosarcoma, por exemplo o retinoblastoma, a síndrome de Li-Fraumeni e a síndrome de Rothmund-Thompson. Na suspeita de câncer no osso, se faz necessária a realização de uma biópsia. É de extrema importância que a biópsia óssea seja planejada com critério, pois o local de introdução da agulha deve coincidir com o trajeto da incisão cirúrgica. Pacientes com mais de 40 anos que se apresentam com lesão maligna, provavelmente se deve a um carcinoma metastático, mieloma múltiplo ou linfoma. Devemos documentar adequadamente as mamas e a questão da próstata. A solicitação de uma eletroforese também irá ajudar na investigação diagnóstica.

Tratamento Neoplasia Óssea Maligna

O tratamento dos tumores ósseos malignos é multidisciplinar, ou seja, envolve diversas especialidades que atuarão simultaneamente e em conjunto. Esse tratamento deve ser realizado num centro de referência, onde seja possível realizar a terapias adjuvantes e neoadjuvantes. É necessário que haja cooperação entre as equipes para que o paciente se submeta a um protocolo individualizado e planejado, que envolve a data da cirurgia, realização de quimioterapia, radioterapia, esta podem ser adjuvantes ou neoadjuvantes. O seguimento periódico desses pacientes é fundamental para obtermos informação sobre recidivas e presença de doença metastática.

A clínica Artroplastias traz nesse texto informações gerais a respeito do tema tumores ósseos com o intuito de esclarecer e fornecer um guia geral para o paciente sobre essas patologias. Na seção destinada a esse tema discutiremos com maior aprofundamento todas as patologias do sistema musculo esquelético como o tumor ósseo (benigno), o câncer ósseo (maligno), as metástases e também as lesões pseudotumorais.