(11) 4200-8045 / (11) 96996-6768 Rua Gen. Jardim, 846, 4° andar - Higienopólis – São Paulo/SP

TRATAMENTO DE PSEUDOARTROSE

Muitos de nós já sofremos alguma fratura, ou mais de uma em pelo menos uma fase da vida e muitos já sofreram com por conta da artrose. Contudo, nem sempre a recuperação é tão simples como deveria ser.

Quem conheceu a pseudoartrose, seja por experiência própria ou por meio de terceiros, sabe como ela pode ser inconveniente e problemática. Ainda sim, ela tem tratamento e vamos mostrá-lo aqui.

pseudoartrose-e-retardo-de-consolidação

O QUE É A PSEUDOARTROSE?

A falta de consolidação de fratura é chamado de pseudoartrose ou falsa articulação. Causada por uma não consolidação de fratura ou artrose. Podemos defini-la como uma articulação anormal entre extremidades de uma fratura.

ATRÓFICA OU HIPERTRÓFICA

O que diferencia a pseudoartrose atrófica, da pseudoartrose, é o fato de a fratura estar vascularizada ou não. No segundo, os ossos fraturados estão bem vascularizados, mas no primeiro há deficiência na vascularização.

COMO OCORRE?

Quando ocorre um fraturamento, é necessário que haja uma consolidação desse fraturamento, isto é, o processo de colagem óssea. Ele pode ocorrer de duas formas: por meio de processo natural ou por consolidação primária.

No processo natural, a colagem ocorre por meio da formação do calo ósseo. Quando o osso é fraturado, ocorre um sangramento na região que posteriormente forma uma cartilagem que se calcifica, formando o calo ósseo e colando o osso.

Já a consolidação primária é uma intervenção em que o profissional faz a colagem por meio de uma compressão entre os fragmentos (quando isto é possível), colocando um contra o outro.

A fratura pode levar de duas a três semanas para se consolidar ou até cinco meses, a depender do osso ou da idade da pessoa. Pode-se que a maioria se recupera em no máximo três meses. Uma dieta regada a proteína como, carne, aves, peixes e ovos, colaboram para o processo de consolidação.

Quando a fratura demora mais que o comum para se recuperar, dizemos que ela está sofrendo um retardo de consolidação. Se, no entanto, diante de umas cinco radiografias progressivas não percebemos qualquer formação de calo ósseo, sabemos que está ocorrendo uma pseudoartrose. Os médicos apontam que as fraturas que mais desenvolvem-na, são na tíbia.

CAUSAS

Normalmente é causada por um tratamento equivocado para consolidação da fratura, mas também pode estar presente após aplicação de procedimentos adequados. Para além disso, não há uma desencadeador comum da pseudoartrose, mas há alguns que podem facilitar sua ocorrência e que vamos enunciar:

● Circulação sanguínea deficiente – como é comum em e diabéticos, por exemplo;
● Metabolismo fosfo-cálcio e deficiência de vitaminas já foram mais apontadas como causadoras da pseudoartrose, mas hoje os especialistas estão mais em negação quanto a esse ponto;
● Pessoas sifilitícas,tabagistas, arterio-escleróticas, renais e diabéticas ou pessoas com circulação sanguínea deficiente de forma geral. costumam ter sua recuperação normal, via de regra. Com no máximo retardo de consolidação de fratura, mas seu estado de saúde pode ser favorável a uma pseudo artrose diante de um equívoco procedimental;
● O desconhecimento sobre a ocorrência de uma fratura no próprio corpo, seguida da falta de uma intervenção médica, também pode ser um facilitador.

TRATAMENTO CIRÚRGICO

Na ocorrência de uma pseudoartrose, faz-se necessária uma intervenção cirúrgica, pois trata-se de uma fratura complexa. O tratamento, hoje em dia, conta com técnicas minimamente invasivas.

Pode ser baseado na colocação de enxerto, placa e parafuso sem descolar os fragmentos, permitindo assim que haja formação do calo ósseo. Mediante o procedimento, muitas vezes o paciente consegue fazer um eficiente retorno, inclusive voltando à atividades como desporto frequente.

PROCEDIMENTO PÓS-CIRÚRGICO

São frequentes as dúvidas sobre a retirada ou não das placas e materiais cirúrgicos. A resposta é que em muitos casos se retira, em outras não. Os únicos momentos em que é obrigatória a retirada, é quando o corpo começa um processo de rejeição ou o material fica saliente ou provocando alguma dor. Normalmente espera-se no máximo dois anos após a cirurgia para avaliar se consolidar a total adaptação e avaliar se é necessária a retirada.

DIAGNÓSTICO

Em caso de pseudoartrose, a pessoa tende a ter dificuldade de flexoextensão, dor na região, perda de força e até ocorrer edema. Se você desconfia que pode estar com pseudoartrose, procure um especialista, pois só ele pode fazer tal diagnóstico e te encaminhar a um tratamento.

Entre em contato com nossa equipe!

Fonte:http://www.revistas.usp.br/revistadc/article/viewFile/50648/54761

> Artroplastias > Tratamento e Cirurgias > Tratamento de Pseudoartrose

Artroplastias